De acordo com o CIMM (Centro de Informação Metal Mecânica), nos primeiros meses da pandemia do Novo Corona Vírus, o setor metal mecânico não sofreu tanto, já que, com às boas safras agrícolas de 2019 o setor de máquinas se manteve equilibrado e com uma boa reserva para o ano de 2020.

Porém, considerando que já estamos nos encaminhando para o segundo semestre, as coisas não só podem como tendem a piorar. Ainda que se o vírus não estivesse à tona, da mesma forma o setor metal mecânico sofre com alguns outros problemas e, soluções práticas podem e devem ser adotadas para segurar os impactos de crise e, claro, para a própria manutenção das atividades. Confira:

1 – Comunicação entre setores

A falta de comunicação entre setores, por incrível que pareça, ainda é um dos males que está presente no dia-a-dia. Existem diversos fatores que podem ser responsáveis por esse tipo de comportamento, porém, elencamos os principais:

  • Falta de networking da equipe

Networking, em termos gerais, significa “trabalho em rede”, ou seja, trabalho em conjunto. Se as equipes e os setores não possuem networking, a probabilidade de as atividades possuírem conflitos é gigantesca.

Para contornar esse problema, invista em programas de trabalho em equipe e mentorias para profissionais. Tais programas desenvolvem a equipe à trabalharem em grupo, estimulando a geração de ideias e o conhecimento dos profissionais de maneira mais profunda. É esse tipo de atividade que pode alavancar a comunicação e o desempenho individual e dos grupos.

  • Áreas diferentes, problemas diferentes

O segundo problema mais frequente é a diferença que está presente entre as áreas e os setores de uma empresa. Isso significa que, um profissional do financeiro praticamente não tem conhecimento do que acontece no setor de Produto e Desenvolvimento.

A solução mais simples e muito eficaz para isso é a famigerada “Integração”. Geralmente sua aplicação ocorre no início da carreira do profissional da empresa, onde, em um dia inteiro o novo funcionário recebe apresentações sobre a empresa e, claro, apresentações de cada setor por um responsável escolhido, ou então de alguém que detém bastante conhecimento sobre ele.

2 – Acompanhamento da produção em tempo real.

Esse é um problema também bastante comum em empresas de médio e grande porte. Com muitas máquinas para gerir, a produção muitas vezes parece estar sob nenhum controle, gerando confusão e uma bagunça na pilha de produção.

Na grande maioria das vezes, o problema está na falta de visualização didática da produção, muito por conta também da falta de tecnologias integradas nos sistemas de produção, mais conhecidos como ERP’s.

Saiba mais sobre ERP’s aqui!

3 – Monitoramento de entradas e saídas.

  • Viés financeiro

Toda empresa precisa de um setor financeiro, certo? Porém, em muitas delas, mesmo com a equipe montada, ainda existem falhas nos dados, que são de fato sentidas quando o gestor principal precisa utilizar uma verba.

Essas falhas nos dados se dá pela falta de monitoramento de entradas e saídas de capital da empresa, gerando caos e problemas de controle financeiro. Uma das soluções mais simples é a implantação de um ERP como o Gestor Fácil, por exemplo, que fornece qualidade e organização para seus dados.

  • Viés de produção

No que diz respeito à produção, a situação é muito semelhante, porém, a relação nesse caso é de entradas e saídas no chão de fábrica. Sem uma gestão eficiente ou então, assim como o problema 2, um painel que possibilite esse tipo de análise, o controle da produção se torna muito mais perigoso, e as falhas, mais propensas. Um dos principais motivos disso é a falta de organização no timing da produção.

4 – Falta de organização no timing da produção.

Como controlar e organizar as entradas de produção e os momentos em que o produto está concluído?

Muitas indústrias, principalmente às que estão no começo, acabam se perdendo nessa disposição de tempo. Para contornar esse problema com agilidade, tenha em mente os seguintes pontos:

  • Entenda os processos por ordem de entrada e saída

Mapear os processos é o primeiro passo para uma cadeia de produção lógica e eficiente. Organize desde a coleta da matéria prima, deixando claro também os principais fornecedores, passando por cada etapa do processo e definindo nomes para os responsáveis até o despacho final.

Assim você terá clareza de como funciona e, principalmente, à quem recorrer quando precisar cobrar o tempo e as informações da produção.

  • Invista em capacitação

Máquinas, assim como ferramentas, precisam de profissionais treinados para o manuseio e manutenção. Invista em capacitação desses profissionais para que, da mesma forma que será possível mais agilidade nos processos, a percepção de tempo de cada produção a partir deles será mais fiel.

5 – Tecnologias retrógradas.

Os três últimos problemas são resultado desse quinto ponto, as tecnologias retrógradas. Pense que sua empresa é uma receita de bolo e, se em sua cozinha você não possui facas boas, liquidificadores potentes e um belo forno, o bolo provavelmente ficará ruim ou então levará uma eternidade para ficar pronto.

Essa situação geralmente ocorre em empresas familiares ou com uma gestão mais antiga, onde a mentalidade do empresário está mais para a venda do que necessariamente para o aprimoramento e busca de novas tecnologias.

Com o Gestor Fácil, por exemplo, a gestão da produção em tempo real, bem como também a organização da produção ocorrem de maneira rápida e com apenas alguns cliques. Organizar e monitorar as entradas e saídas da empresa nunca foi uma tarefa difícil para quem possui o software na organização, isso porque, o software tem capacidade para armazenar tudo e distribuir ágil e visualmente.

Viu como é fácil gerir a empresa com alguns cliques? Conheça mais sobre o Gestor Fácil clicando aqui!